“Por que eu odeio os homens?”


Fonte:   https://ocontraditorio.com/ladodireitodaequidade/feministas/autoras/samantha-allen/odeio-homens/  

— Dra. Samantha Allen, jornalista no The Daily Beast, 2014.

Eu sou misândrica. Isso significa que eu odeio os homens. Eu não sou uma misândrica bonitinha. Eu não tenho um ímã de geladeira que diz: “meninos são idiotas, joguem pedras neles”. Meu ódio não pode ser contido num imã de geladeira.

Eu não sou uma feminista igualitária. Eu não acredito que um mundo assimétrico será curado por obséquio educado a sistemas dominados por homens. Eu não sou uma humanista liberal. Eu não acho que eu tenho que defender homens enquanto eles estiveram pisando em cima de todos os outros.

Misandria não é um programa político; é uma postura. Eu não me importo se odiar os homens é uma boa ou má estratégia feminista (e eu me importo menos ainda com o que os homens pensam sobre misandria). Eu não acho que eu tenho a responsabilidade de mudar o mundo. Acho que tenho uma responsabilidade em sobreviver.

Imagine ter nascido em um mundo onde suas experiências não estão representadas, onde o seu trabalho é desvalorizado, onde seu corpo está sempre aberto a comentários, onde seus amigos são rotineiramente perseguidos e maltratados, e onde esta situação será literalmente a sua realidade para o resto da sua vida. Se você é uma mulher, você não precisa imaginar esse mundo porque você já vive nele.

Se você é um homem, você nunca viveu e nunca viverá nesse mundo. Mas tente imaginar como se sentiria. Eu vou te dizer: quando eu penso sobre o tipo de mundo em que vivemos, eu me sinto ao mesmo tempo desesperada e enfurecida, e oscilo tão rapidamente entre esses dois extremos emocionais que eu literalmente começo a ficar zonza.

Ser mulher neste mundo é como ser enterrada viva. Pense sobre isso. Pense sobre sentir isso todo dia.

Por que eu tenho que responder à pergunta “por que eu odeio os homens?”, se os homens nem sequer param para perguntar por que eles sempre odiaram as mulheres? Eu tenho que responder à pergunta, porque os homens não aguentariam nem por um segundo o desprezo que tiveram pelas mulheres por milhares de anos.

Por que eu odeio os homens? Porque a vida é curta. Minha vida está ficando mais curta todo dia, e eu quero preenchê-la com mulheres. Neste mundo indo água abaixo, eu só quero poder desfrutar de um espaço pequenino, um quartinho, que for, só meu. Eu quero que este quartinho esteja cheio de mulheres e sem ego, hierarquia, avanços sexuais e violência. Eu odeio os homens, porque eu não posso ter nem mesmo a porra desse quartinho sem que eles venham derrubar as paredes. Vocês têm a casa toda, caralho. Vai brincar lá. Vai procurar outra coisa pra fazer.

Eu odeio os homens, porque não é minha função consertar a masculinidade; minha missão é me curar dela e estar com minhas irmãs para sobreviver a um mundo hostil. E ainda assim esperam que eu pacientemente eduque os homens a não serem idiotas. Aqui está minha única dica: pare de gastar tanto tempo com homens. Eles são canalhas.

Eu odeio os homens porque os homens me odeiam, e não sou eu quem tem que manter a postura.

Eu tenho amigos homens, claro. Geralmente são homens que foram marginalizados (quer seja pela sua raça, classe, identidade de gênero, identidade sexual, o que você for). Ou que passaram pelo exame de consciência e desprogramação relacional necessária construir uma ponte significativa com as mulheres. Não basta ler um livro e está tudo bem. Para mim, só quando você for batizado com sangue menstrual.

Eu odeio homens não significa que eu odeio vocês. Significa que eu odeio a sua posição neste mundo. Significa que eu não sou obrigada a gostar de você. Significa que eu não tenho que falar com você, se eu não quiser. Significa que eu tenho direito a meu espaço e não tenho que dançar para vocês, sorrir para vocês, ou acalmá-los. E vocês podem aguentar minha suspeita de vocês – não podem? – porque o mundo lhes recebe de braços abertos onde quer que vocês vão.

— Samantha Allen, “what misandry means to me”, Unpitchable, 23.06.2014. https://web.archive.org/web/20140623013409/http://unpitchable.tumblr.com/post/79931857273/what-misandry-means-to-me