menos chance que mulheres negras pobres têm homens brancos pobres de entrar no ensino superior


Fonte:   https://ocontraditorio.com/ladodireitodaequidade/pesquisas/inglaterra-pesquisas/chance-mulheres-negras-pobres-homens-brancos-pobres-entrar-ensino-superior-inglaterra/  

— UCAS, 2015.

“Isso é mostrado na Figura 96 que mostra as taxas de admissão para várias combinações de demografia e características (etnia, sexo e benefícios sociais) para alunos ingleses de escola pública 18 anos entre 2011 e 2015 que vivem em áreas no 3o quintil de renda. A taxa de admissão global de 18 anos para os ex-alunos de escolas pública no 3o quintil de renda entre 2011 e 2015 foi de 27,9%, mas quando dividido de acordo com as diferentes combinações de fundo e característicos das taxas de admissão abrangem uma vasta gama, de 8,9% dos homens brancos inscritos pelo programa de merenda escolar gratuita a 43,8% das mulheres asiáticas não inscritas. Esta variação nas taxas de admissão dentro de um único quintil de renda, que é maior do que a variação nas taxas de admissão entre os quintis mais desfavorecidos e favorecidos, mostra que há grupos dentro 3o quintil que poderia ser considerado mais desfavorecidos do que os outros.

A Figura 97 mostra as taxas de admissão divididas por quintil de renda, etnia e sexo para aqueles que foram beneficiados pelo programa de merenda escolar gratuita. Uma faixa semelhante de taxas de admissão é visto e mostrar que, mesmo entre os beneficiados existem alguns grupos que têm taxas muito baixas e outros muito altas de admissão.”


“This is shown in Figure 96 which shows the entry rates for various combinations of background and characteristic (ethnic group, sex and FSM) for English 18 year old former state school pupils between 2011 and 2015 who live in POLAR3 quintile 3 areas. The overall 18 year old entry rate for former state school pupils from POLAR3 quintile 3 between 2011 and 2015 was 27.9 per cent, but when split according to the different combinations of background and characteristic the entry rates span a wide range, from 8.9 per cent for White men who claim FSM, through to 43.8 per cent for Asian women who do not claim FSM. This variation in entry rates within a single POLAR3 quintile, which is greater than the variation in entry rates between the most disadvantaged and most advantaged quintiles, shows that there are groups within POLAR3 quintile 3 who could be considered more disadvantaged than others.

Figure 97 shows the entry rates split by POLAR3 quintile, ethnic group and sex for those who claim FSM. A similar range of entry rates is seen and show that even within those who claim FSM there are some groups who have very low and very high entry rates.

— UCAS, “End of Cycle Analysis Report”, dez 2015. https://www.ucas.com/sites/default/files/eoc-report-2015-v2.pdf