Egípcio condenado à prisão e trabalhos forçados por dizer que egípcias traem maridos


Fonte:   https://7uvw.xyz/ladodireitodaequidade/uncategorized/egito-noticias/egipcio-condenado-prisao-trabalhos-forcados-egipcias-traem-maridos/  

Yahoo Notícias, 2016.

Reportagem: Egípcio condenado à prisão e trabalhos forçados por dizer que egípcias traem maridos

O promotor de justiça mais conhecido do Egito ordenou a prisão do administrador de uma página do Facebook após o mesmo ter declarado em um popular programa de televisão que um terço das mulheres casadas no país é infiel, causando uma enorme polêmica nas redes sociais.

O promotor emitiu um mandado de prisão na última terça-feira para Taymour el-Sobky, acusando-o de difamar as mulheres egípcias e denegrir a sua honra, de acordo com uma declaração de seu escritório.

Sobky causou furor depois de compartilhar suas conclusões no programa de entrevistas Mumkin, cujo nome significa “É Possível”.

Suas afirmações foram ao ar em dezembro no canal privado CBC, mas não geraram controvérsia até a postagem de um clipe da participação nas redes sociais esta semana. Como resultado, a exibição do programa foi suspensa durante 15 dias.

“Trinta% das mulheres egípcias estão prontas para a imoralidade, mas não conseguem encontrar alguém para encorajá-las,” disse Sobky, cuja página no Facebook, “Diaries of a Suffering Husband” (“Diário de um Marido Sofredor”, em tradução livre), tem mais de um milhão de seguidores.

“Hoje em dia é muito normal que as mulheres traiam seus maridos e busquem isso… Muitas mulheres estão envolvidas em casos extraconjugais enquanto seus maridos viajam.”

O Egito é um país conservador e predominantemente muçulmano, onde não se aprova o sexo fora do casamento.

Os comentários de Sobky incluíram a insinuação de que os casamentos arranjados na parte sul do país, região muito conservadora, aumentaram o problema da infidelidade, já que as mulheres acabam casadas com homens que não conhecem.

Um homem mascarado desta região apareceu em um vídeo no YouTube com um rifle e ameaçou Sobky de morte.

O especialista legal Tarek Ismail disse que, de acordo com a lei egípcia, Sobky pode ficar preso por até três anos, caso seja condenado.

“As mulheres traem seus maridos e eles sabem disso. Eles continuam perdoando-as até que desistem e vão embora,” disse Sobky.

Em uma declaração, a CBC afirmou que as frases de Sobky foram parte de uma longa discussão, e que o apresentador do programa refutou as mesmas.

(Contribuição de Haitham Ahmed e Ali Abdelaty; edição de Michael Georgy e Katharine Houreld)
Por Ola Noureld